Textos


Foto Google
 
Antonio de Albuquerque

Misteriosa Vitória
 

Pedro exercia com vigor seu importante trabalho d e representante comercial, visitando clientes nas distantes cidades do Nordeste, viajando de carro, trem, ou ônibus, conforme a necessidade. Tornou-se bom observador das coisas com as quais se deparava e delas colhia lições que foram de grande serventia ao longo de sua vida. Passava das quatro horas, chovia e Pedro caminhava protegendo-se sob marquises das lojas nas ruas desertas. Alguns feirantes com quiosques na cabeça procuravam colocá-los mais próximos da estação, um prédio antigo construído na década de trinta que lembrava a arquitetura germânica. As pessoas se aglomeravam em torno da bilheteria que abria uma hora antes da partida do trem das seis, que sempre partia com lotação completa com destino aos distantes sertões.
 
Pedro observava as velhas máquinas movidas à lenha e, ao se dirigir à bilheteria, percebeu que as pessoas caminhavam com pressa. As poltronas não eram muitas e o espaço era reservado à carga, assim, restavam menos lugares. Pedro ocupou uma confortável poltrona na janela, e às seis horas, mesmo com os solavancos do trem que deslizava sobre centenários trilhos, com um barulho ensurdecedor, contemplava o amanhecer, tendo início uma longa e fascinante viagem pelos sertões que duraria pelo menos doze horas. O destino era Crateús, uma cidade ao Norte do Estado do Ceará localizada às margens do Rio Poti na fronteira com o Piauí. Sua origem nos remete à época dos bandeirantes e o seu nome em Guarany significa muitas coisas, quais; batata de lagarto, tapuia ou lugar muito seco e quente.
 
Pela janela entrava a brisa fria da manhã, o sol brilhava e, com seus raios dourava o orvalho sobre as folhas verdes formando um radiante cenário. No alto uma nuvem se formava dando a ideia de um cogumelo. À margem da ferrovia observava-se a relva e as flores se abrindo nos bouganviles junto às pequenas casas de trabalhadores do campo, e as revoadas de pássaros saindo dos ninhos em busca de água e alimento.  Pedro se sentia alegre e feliz ao contemplar a paisagem do sertão, onde somente os juazeiros se mantêm verdes nos leitos seco dos rios, chuchando água das profundezas da terra. Aquele momento o fazia lembrar-se da sua infância e o pensamento o conduzia ao passado. — Se Deus fizesse voltar o tempo eu queria novamente ser menino e viver no sertão no Vale do Saco do Frade, brincando com meu cachorro ou morando em minha cidade natal, Monsenhor Tabosa, Pedro falava para si.
 
Com saudade Pedro se lembrava do frio da serra das matas, das moagens de cana, do melado, rapaduras, carros de boi. Também lembrava dos primos bebendo cachaça no alambique, das brincadeiras de gangorra do irmão Miguel dedilhando o violão, tocando valsas e chorinhos, da mocidade dos seus pais, da figura indelével do seu tio Ozorino, da casa grande, do seu tio Raimundo que foi à guerra na Itália e quando se embriagava contava histórias engraçadas das batalhas. Recordava que, na guerra, um tio havia perdido um olho, e, aos domingos depois da missa na igreja de São Sebastião, ele desfilava com farda de sargento do Exército Brasileiro e, pelas ruas cantava o Hino à Bandeira. O pensamento distante o fazia lembrar-se de seu primo Zequinha tocando sax na banda de música da prefeitura, do seu também primo padre Inácio, celebrando a missa do domingo na igreja da matriz. Viajava no tempo buscando na memória reminiscências do seu tempo de criança naquela inesquecível cidade serrana onde nasceu.
 
Quando o trem parava numa estação para reabastecer, os vagões eram invadidos por diversas pessoas vendendo guloseimas. E também, coisas, as mais estranhas que se pode imaginar, cabras, ovelhas, bodes, carne de sol, rapadura, cachaça, farofa, fumo, facas, frutas e tantas outras variedades. Quando novamente o trem partia, as mesmas pessoas permaneciam na plataforma, alegres acenando, e tudo se repetia nas estações seguintes, parecendo um ritual. A viagem mais parecia uma festa onde todas as pessoas envolvidas formavam uma só família.
 
Embalado pelo movimento do trem, adormeceu. Minutos depois despertou ouvindo uma jovem pedindo licença para ocupar a poltrona ao lado. Pedro estranhou a atitude da moça visto que haviam outras cadeiras vagas, no entanto, sentiu-se feliz por ter uma acompanhante para conversar numa longa viagem e gentilmente ofertou-lhe a poltrona da janela, ela disse não ser necessário e sentou ao seu lado. A jovem era bela, alta, olhos verdes qual a palha do milho, pele macia tal a flor do Mulungu e olhos travessos que pareciam falar, a pele sedosa lembrava a flor do algodão. Seus gestos suaves indicavam ser uma pessoa diferente e sua voz vibrava parecendo ecoar no universo, seu nome era Vitória. Vitória possuía facilidade com o uso das palavras, e quando Pedro expunha algum pensamento, seus olhos brilhantes pareciam ler seu interior, e assim, conversaram por horas. Vitória mostrava possuir ampla cultura e com olhar suave, penetrante e gestos misteriosos sempre revelava algo maravilhoso e escutava carinhosamente o que o Pedro falava.
 
Na feliz convivência no trem, viajaram no tempo, desde a criação da terra aos dias atuais. Vitória contava a história do Planeta, com desenvoltura e em alguns momentos Pedro imaginou conhecê-la visto que sua fisionomia lhe parecer familiar. Vitória falava sobre antigas civilizações, detalhando épocas, lugares, crenças e costumes, das raças, dos deuses, mitos, lendas e cristianismo. Pedro queria saber como uma mulher tão jovem havia chegado àquele grau de conhecimento, falando com propriedade da antiga mitologia ao século XX em plena modernidade. Nunca Pedro havia conhecido uma mulher com tamanho conhecimento, era um ser diferente e envolvente a ponto de admira-la sem saber quem realmente era Vitória. Passava das vinte horas quando chegaram à estação final, Pedro despediu-se de Vitória, seguindo para o hotel, mas seu pensamento estava ligado nela.
 
Ao amanhecer, Pedro e Vitória se encontraram conforme entendimento anterior, saíram a passear. Caminharam por ruas, ruelas de chão batido e finalmente por uma estrada e, por ela distanciaram-se da cidade chegando a uma elevação. O Sol tingia de ouro os arbustos verdes à beira da estrada e leve brisa suavizava a manhã quente sertaneja. Pedro sentia-se feliz, consciente de que algo surpreendente aconteceria. Embora ali fosse sertão seco, havia chovido e margeando o caminho, pequenos arbustos verdes e floridos, formavam bela paisagem. Bem próximo, numa gameleira um bem-te-vi cantava anunciando que havia estranhos em seu território, enquanto isso um pequeno calango verde observava os intrusos visitantes. O vento contorcia os galhos da imburana. Da elevação avistavam-se o agreste com planícies, montanhas, rios com leitos secos onde se destacavam os frondosos juazeiros. Vitória caminhava com a leveza de uma garça ao lado de Pedro que, encantado com sua misteriosa figura, sentia-se feliz, e sem pressa, caminhava a seu lado.
 
Finalmente, sentaram-se à beira da estreita estrada à sombra de uma aroeira e novamente voltaram a falar sobre antigas civilizações. Sua voz suave era mais branda que o pouso de um beija-flor. Pedro escutava suas palavras viajando por entre o sol e estrelas. Vitória levantou-se com a beleza do verticilo da flor e apontando, chamou sua atenção para um imenso palácio que surgira fazendo-o penetrar num encantamento que jamais imaginou existir. Nem podia comparar, pois nunca havia visto coisa igual; cascatas de água, luz, flores e roseiras num jardim de infinita beleza. Flutuando o casal adentrou num palácio de marfim com paredes e pisos de cristal e grande luminosidade e sublimes cores inenarráveis. Vitória transmitia boa energia e seu corpo levitava sobre tapetes de luz colorida.
 
O que você ver são registros de um povo que aqui viveu num passado distante. Somos nós há vinte mil anos quando fomos os responsáveis por uma civilização colocada em outra dimensão em decorrência da prática de corrupção entre seus dirigentes e, nós fazíamos parte dela. Aqui vivíamos, e você não recorda por ser o responsável pela destruição da nossa civilização, estando hoje numa matéria extremamente densa. — Um dia você virá corrigindo o engano e novamente, juntos contemplaremos estas maravilhas.
Pedro estava diante dessa esplendorosa revelação, entendendo quem era a misteriosa Vitória. Caminharam em silêncio retornando à cidade. Vitória a seu lado o olhava como quem quisesse dizer adeus. Pedro sentia saudade, mesmo sem a certeza da sua partida.
 
Borboletas branquinhas e amarelas enfeitavam os pequenos arbustos na beira do caminho. No alto, periquitos, papagaios, andorinhas, voavam em algazarra. Distante ouviam-se o trinar do Acauã e suave brisa bulia nas folhas verdes. Com olhos molhados, Pedro escutava badaladas do sino da igrejinha. Com um gesto carinhoso procurou abraçar Vitória, mas sorrindo, e leve tal a semente da sumaúma, subiu na velocidade da luz
 
 
 
 
Antonio de Albuquerque
Enviado por Antonio de Albuquerque em 02/08/2019
Alterado em 11/08/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr