Textos



Foto Google


Doce Lembrar

Saudade do bem querer do teu amor
Guardo na memória o teu cheiro em mim
Inolvidáveis carinhos e afagos permutados
Lembro do vento esvoaçando teus cabelos
Eu mergulhado no seu aroma de Gardênia
Do seu andar faceiro qual bailado do gavião
Admirando a elegância do teu caminhar sensual
Seu esplendido sorriso, dizendo tudo sem nada falar
Parecendo Orquídea se abrindo, expressando Amor.
Para meu estranhar, lia teu doce e sincero olhar
Me sentindo criança conduzido na tua magia
Imensa saudade dum adorável tempo de ternura
Vivido numa bela campina de flores e alegrias,

Onde por encanto, no apagar da luz do vagalume
Nascia o radiante dia com o Sol pintando aquarelas
Tingindo de carmim, mares, rios, lagos e florestas
Onde as manhãs alegres, sorriam gargalhadas de luz
Regando de saudade, alegrias e sonhos, nossos corações
Hoje, somente infinita esperança habita o meu sentir
Pingos d’água arrulham no meu rosto, cheirando você
Afagando meu corpo inteiro de sensuais lembranças
Nessa sagrada instância de amores, desejos e louvores.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

INTERAÇÃO DO NOBRE MESTRE JACÓ FILHO


///Já esqueci seu nome, mas não o seu perfil,/Esqueço quem sou, preso nas lembranças./Jamais finda os beijos, e minha esperança,/No sonho sem fim dum apaixonado servil.///Revivo com perfeição o calor dos abraços,/Tempestades de desejos, e ainda contidos,/Esperando a hora certa, pra serem vividos./E se vão tantos anos que já sinto cansaços.///Nada mais restaria dum amor consumado,/Que o destino bruto, tão bem o preservou./Esperei na igreja, alguém que não chegou.///Entendi seus motivos, e embora revoltado,/Segui meu caminho, que apenas me levou,/Pra viver das lembranças, aqui onde estou...///
Antonio de Albuquerque
Enviado por Antonio de Albuquerque em 19/06/2020
Alterado em 20/07/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr